segunda-feira, 6 de agosto de 2012

[Entrevista] Fabiane Ribeiro - Escritora


Uma das grandes vantagens que a internet nos proporciona, é poder debater com alguns autores sobre as suas obras, sobre o que gostamos e detestamos no enredo, tirar dúvidas, dar a nossa opinião e poder conhecer um pouco mais sobre o processo editorial. Hoje eu trouxe para vocês, uma entrevista que eu fiz com a autora Fabiane Ribeiro, onde ela conta um pouquinho sobre seus trabalhos e sua vida. Desde já, quero agradecer muitíssimo o carinho da autora, que sempre foi muito gentil e atenciosa com o blog. Espero que gostem da entrevista! :)

A Capsula Entrevista: Fabiane Ribeiro

Fabiane Ribeiro
1 - Para iniciar, quem é Fabiane Ribeiro?
R.: Eu diria que sou alguém que acredita, acima de tudo, que cada um tem um caminho a trilhar, que o fará contribuir de alguma forma com o mundo, então, resumindo, tento passar algo de bom através de histórias e personagens. Sou médica veterinária e escritora, apaixonada pelos animais e pelas palavras.

2 - O que te levou a escrever "Xadrez"? Quanto tempo demorou? O que te inspirou para escrever a história de Anny?
R.: Eu sempre amei ler e escrever, mas confesso que nunca sonhei em ser escritora. Eu estava no quarto ano de faculdade de Medicina Veterinária, quando fiquei doente e parei os estudos por um tempinho. Nessa época, em meio a momentos difíceis, escrevi dois livros. Um deles é o romance “Jogando xadrez com os anjos”, minha primeira obra publicada. Desde então, a literatura passou a fazer parte da minha vida e dos meus sonhos. Eu tenho muita dificuldade pra determinar quando e como surge alguma ideia ou de onde vem a inspiração. Tudo vai surgindo aos poucos em minha mente e eu vou anotando, até o dia em que percebo que tenho material suficiente para um livro. Costumo dizer que minha inspiração é sempre a vida! Levei 7 meses para escrever o “Jogando xadrez com os anjos”.

Minha participação no Book Tour do livro "Xadrez" - Resenha AQUI

3 - Porque escolheu o tema Xadrez para ser utilizado como pano de fundo na história de Anny? Você sabe jogar xadrez? Gosta?
R.: Pra ser sincera, eu apenas jogo xadrez por diversão. Gosto do jogo, mas ele nunca foi tão frequente em minha vida. Quando anotei as primeiras ideias sobre o livro “Xadrez” o jogo me veio à mente. Então, pensei que ele seria o elo ideal que eu estava buscando para unir Anny e seus afetos e também Anny e seu passado. É isso o que ele representa na história. (Página do livro no Skoob - AQUI)




Obs: No inicio, o livro "Jogando xadrez com os anjos" se chamava "Xadrez", o nome foi modificado devido a repaginada que o livro recebeu da editora Universo dos Livros.

4 - Fale um pouquinho sobre o seu livro "Corações em Fase Terminal"? Quanto tempo demorou para escrevê-lo?
R.: O “Corações em Fase Terminal” conta a trajetória de Cátia, uma dependente química que, após quase acabar com a própria vida, acorda em uma nova realidade, com o coração preso e manchado em uma caixa, e uma imagem real de si própria presa a um espelho repugnante. Sua missão passa a ser cuidar de seu coração, assim como todos naquele estranho lugar. Esse livro foi um desafio que lancei a mim mesma, de escrever um livro em uma semana! (Página do livro no Skoob - AQUI)

5 - Fale um pouquinho sobre o seu novo livro "A gente ama, a gente sonha"? Quanto tempo demorou para escrevê-lo?

R.: Uma narrativa futurista, em que a população vê-se cercada de poluição, máquinas e redomas. Por um lado, as classes nobres conseguem proteger-se do céu alaranjado. Em contraposição, aqueles que preenchem as classes média e baixa estão à mercê do Maquinário (governo moderno) e de graves problemas respiratórios. Religião é algo extinto, assim como os sentimentos; árvores frondosas e diversas espécies da fauna são encontradas apenas nos museus naturais. E o que dizer dos sonhos? São controlados por máquinas, assim como tudo mais na sociedade.

Nesse cenário, Vanessa, ou melhor, Nenê, encontra uma carta esperançosa de alguém que previa a destruição do seu mundo, mas que acreditava na cura do mesmo. Uma carta escrita há muitos séculos... No ano de 2012. A carta convida-a a repensar suas atitudes e as de seus semelhantes, ao mesmo tempo em que a leva a conhecer um novo mundo: Nenê, pela primeira vez, sonha sem programar a Máquina de Sonhos e, assim, acaba conhecendo um rapaz misterioso durante seu sono. Sem saber seu nome, ou sem ver sua face, Vanessa sabe que o ama e que deve fazer de tudo para encontrá-lo e, assim, resgatar valores perdidos pela humanidade. Em sua trajetória, ela tem que aprender a lidar com assuntos há muito tempo banalizados, como família, morte e amor. Um livro sobre robôs, sonhos, romance e, sobretudo, sobre a reinvenção do ser humano.

Não sei o tempo exato que levei para escrevê-lo, pois tive que dar um intervalo durante a escrita, e também porque o alternei com outros projetos. (Página do livro no Skoob - AQUI)


6 - Como foi o processo de publicação dos livros? O que foi mais complicado? Facilitou o processo de publicação/divulgação quando você assinou contrato com a editora Universo dos Livros?
R.: Foi difícil. Eu demorei pra conseguir uma editora e era muito inexperiente sobre o mercado literário. Publiquei primeiramente com uma editora pequena e, quando o livro caiu no gosto dos leitores, consegui contrato com uma nova e grande editora (Universo dos Livros), que está reeditando neste momento o “Jogando xadrez com os anjos”, com certeza estou em uma fase melhor agora com essa nova editora. A parte mais complicada é atrair os leitores e conquistar um espaço no mercado.

7 - Quais os seus próximos projetos?

R.: Tenho quase trinta livros esboçados. No momento, estou prestes a lançar meu terceiro romance, “A gente ama, a gente sonha”. Ele está em revisão. Estarei na Bienal de SP, no estande da Universo dos Livros (Rua G, número 70) autografando o “Jogando xadrez com os anjos” dias 12 e 17 de agosto de 2012, das 11 horas ao meio-dia. Espero vocês lá!

Confirme sua participação pela página do evento no Facebook - AQUI
8 - Como você vê o mercado literário atual? Você acha que a internet está ajudando na formação/divulgação de novos leitores e autores?
R.: No Brasil, há grandes barreiras para se tornar um escritor. Encontrar uma editora, sem dúvidas, é a primeira. Mas, o mais difícil é a inserção no mercado e a aceitação por parte do público. Como em qualquer profissão ou em qualquer sonho, é necessário ter muita força de vontade e ser apaixonado pela profissão! O mercado atual está mudando, mas não deixa de ser um grande desafio para os escritores. A internet é uma ferramenta maravilhosa para compartilhar a paixão por livros e para fazer amigos que também nutrem essa paixão! Eu adoro dedicar tempo ao meu blog e visitar outros quando posso. Sem contar que o apoio que os blogueiros dão aos autores iniciantes tem feito toda diferença para a aceitação do nosso trabalho.

9 - Um recado para quem tem o sonho de ser escritor.
R.: Citando meu próprio livro “Jogando xadrez com os anjos”: “Não há idade para sonhar e, muito menos, para buscar sonhos antigos. Os sonhos nunca morrem”.
Agradeço o carinho, a oportunidade e o espaço para divulgar meu trabalho no blog!

Mais Informações:
- Twitter: @fabiribeirovet

2 comentários:

  1. Heey,
    voltei com blog novo *-*

    Já tinha ouvido falar nessa escritora, e adoraria ler um livro dela. Enfim, adorei a entrevista. Acho legal coisas do tipo em um blog ^^

    Bye,
    http://prateleiradepensamentos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. gostei da entrevista
    e o nome do livro
    "jogando xadrez com os anjos"
    muito interessante.
    te desejo um feliz dia dos pais
    bjs

    ResponderExcluir